Proposta de Heuler Cruvinel exclui o Estado de Goiás do horário de verão

O deputado Heuler Cruvinel (PSD-GO) quer que o Estado de Goiás seja excluído do horário de verão, que este ano entrará em vigor no próximo domingo (21). Para tornar viável a sua proposta, ele elaborou o Projeto de Lei 4548/12, que altera a redação do artigo 2º do Decreto de setembro de 2008, que instituiu este horário diferenciado em parte do território nacional.

Pelo projeto do parlamentar goiano, o horário de verão ficaria restrito aos Estados do Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná, São Paulo, Rio de Janeiro, Espírito Santo, Minas Gerais, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Tocantins e Distrito Federal.

Na visão de Cruvinel, “adiantar os relógios em uma hora, além de obrigar às pessoas acordar mais cedo, gera alterações de metabolismo no corpo físico, acarretando efeitos colaterais nocivos à atividade laboral e intelectual, especialmente no período de adaptação, impactando, consequentemente, na produtividade da economia e na segurança de setores como o de transportes de pessoas e cargas, dentro inúmeros outros que envolvem atividades que requerem concentração em condições de risco”.

Ainda em defesa da exclusão do seu Estado do horário de verão, o deputado citou que, principalmente no Estado de Goiás, tendo em vista à sua localização próxima à Linha do Equador, não se verifica o mesmo fenômeno observado nas regiões mais ao norte ou ao sul do planeta, sendo, portanto, absolutamente ineficaz a implementação do horário de verão nesta região.

O deputado comentou ainda que entre a sua implementação inaugural, em 1931-1932, sempre se questionou a aplicabilidade e a eficácia do horário de verão no país. Inicialmente vigorou esporadicamente até 1967 e voltou a ser posto em prática somente em 1985, a partir do qual passou a ser instituído anualmente. A justificativa de apelo seria a suposta economia no consumo de energia elétrica, especialmente durante os dias mais longos do verão brasileiro.

“Entretanto”, disse Heuler Cruvinel, “vários estudos questionam se tal medida seria economicamente viável, tendo em vista os reflexos de sua adoção no setor produtivo e residencial, especialmente quando se põe na mesa um vislumbre técnico de que a energia gerada não tem como ser armazenada, tendendo sempre ao desperdício o seu acumulo”.

Para concluir, o deputado do PSD questionou: “Seria o horário de verão, na verdade, muito mais uma forma de compatibilização das constantes e insanáveis falhas na eficiência energética da rede nacional, do que uma forma eficaz e viável de economia?”.

A proposta ainda será distribuída às várias comissões temáticas da Câmara dos Deputados.

Da Redação

Ouça a matéria:

Audio clip: Adobe Flash Player (version 9 or above) is required to play this audio clip. Download the latest version here. You also need to have JavaScript enabled in your browser.

[Baixar arquivo de áudio]

1 Comentário

  1. SILVIO ROBERTO DA SILVA SOUZA

    Prezado Deputado,

    É com um grande prazer que minha família e as várias pessoas que conheço aplaudem de pé a vossa postura em levantar a voz contra esse que é um dos maiores desrespeitos ao povo produtivo, que paga impostos e se vê a mercê de burocratas que não vivenciam a realidade de quem mete a mão na massa para sustentar esse país. Eles não sabem o que é acordar 4:00 h para ordenhar, não sabem o que é pegar 3 conduções para chegar ao trabalho e ter que enfrentar as escuras a falta de segurança.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *