Profissão de bugueiro é regulamentada em Comissão da Câmara

De autoria do deputado Fábio Faria (PSD-RN), o Projeto de Lei 6314/09, que regulamenta a profissão de bugueiro, foi aprovado, por unanimidade, na manhã desta quarta-feira (17) pela Comissão de Meio Ambiente da Câmara. A proposta, que teve como relator o deputado Irajá Abreu (PSD-TO), será analisada agora pelas comissões de Trabalho, Turismo e Constituição e Justiça.

O relator incluiu emendas que ampliam a proposta inicial, após discussão dos deputados com o Sindicato dos Bugueiros do Rio Grande do Norte. Foram colocadas as condições para o exercício da profissão, tais como, a necessidade de habilitação especial, a característica dos veículos e a autorização dos órgãos competentes.

Quando a proposta for aprovada na última comissão da Casa, existirá a obrigatoriedade dos condutores realizarem cursos obrigatórios de recursos humanos, direção defensiva, primeiros socorros, mecânica e elétrica básica, além de conhecimentos sobre a preservação do meio ambiente.

Fábio Faria explicou o objetivo do seu projeto: “Apresentamos essa proposta em 2009, com o propósito de regulamentar a profissão de bugueiro. Agora, o relator incluiu também regras para o desempenho da atividade, com toda segurança para o turista e garantias para o condutor, que é muito mais que um motorista, é um guia que leva milhares de visitantes brasileiros e estrangeiros a conhecer as belezas naturais do nosso país”, disse.

O projeto contribui com o turismo nacional, ao estabelecer a padronização do serviço e regulamenta esta atividade que já é exercida nos litorais do país e que atraem os turistas nacionais e de outros países.

Os primeiros passeios de buggy, como os pequenos carros são chamados, surgiram no Rio Grande do Norte no início dos anos 80. Eram utilizados veículos desenvolvidos e adaptados para transitar em terrenos arenosos, com capacidade para quatro pessoas. A carroceria era de fibra de vidro, com tração nas rodas traseiras, dando condições de o automóvel realizar passeios por praias e dunas.

Levando-se em consideração as características naturais do Estado, foi idealizado um novo produto para ser oferecido ao turista, onde eram utilizados veículos do tipo buggy para mostrar as belezas do litoral ao norte de Natal até Touros, englobando as praias da Redinha, Santa Rita e Jenipabu.

Antes disso, estes veículos eram utilizados apenas por poucos veranistas para andar pela orla na época do verão. Dessa forma, embora a estrutura oferecida para o exercício desses passeios fosse mínima, o Rio Grande do Norte ganhou importante aliado para o seu desenvolvimento turístico.

Durante dois anos esses passeios foram realizados de forma esporádica. Apenas em meados de 1983, o passeio de buggy passou a ter maior visibilidade. Na época em nenhum outro Estado existiam esses passeios.

A partir daí, a procura pelo passeio do litoral ao norte de Natal, pelas dunas e praias de Jenipabu e Santa Rita, aumentou consideravelmente e, após 10 anos, eles passaram a ser realizados também no litoral ao sul de Natal, com destino a Tibau do Sul/Pipa até a Lagoa de Guaraíras. Atualmente o passeio se estende até Sagi em Baía Formosa, na fronteira com a Paraíba. Na região, o profissional que conduz o buggy é conhecido como “bugreiro”.

Da Redação

4 Comentários

  1. Estamos todos torcendo pela nossa classe! em breve nossas conquistas serão realizadas!
    abraços a todos os bugueiros do Brasil.

  2. Na PB um dos requisitos básicos que eles tenham o curso de Guia de turismo.

  3. Parabéns ao Ilustre Deputado pela sensibilidade.Nós Bugueiros esperamos que essa lei seja aprovada pois somos tão profissionais,com Professor,Pedreiro,Médico,Taxista e etc.Parabéns também ao Sindicato dos Bugueiros do Rio Grande do Norte pela luta.

  4. Marcelo augusto

    Esse projeto de lei vem a enaltecer essa categoria que tem um papel muito importante na cadeia turística, desenvolvendo atividades de extrema responsabilidade já que faz parte de sua rotina, transformar sonhos em realidade. Parabéns aos profissionais bugueiros por essa enorme conquista.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *