Joaquim Passarinho: “A ilegalidade do garimpo é o que mais polui o Rio Tapajós”

Durante audiência pública que debateu os impactos da mineração na região do Rio Tapajós nas comunidades indígenas no Pará, o deputado Joaquim Passarinho (PA) alertou que o garimpo ilegal é o que mais traz danos à população. O debate aconteceu na Comissão de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (CMADS) e reuniu pesquisadores e representantes de etnias indígenas da região.

A bacia do Rio Tapajós é uma das maiores da Amazônia e, segundo estudos do Ministério da Saúde e da Universidade Federal do Oeste do Pará (Ufopa), a região registrou altos índices de mercúrio. Passarinho reforçou que os recursos do antigo DNPM precisam ser liberados para que a nova Agência Nacional de Mineração possa aumentar a fiscalização na região.

Deputado Joaquim Passarinho (PA). Foto: Cláudio Araújo

“O garimpo ilegal é o que mais polui o Rio Tapajós. No ano passado, foram bloqueados dois terços dos recursos da CFEM [Compensação Financeira pela Exploração de Recursos Minerais], que são destinados para fiscalização e infraestrutura do órgão. Sem esse recurso fica difícil regularizar os garimpos e cobrar as licenças de lavra para impedir os garimpeiros ilegais, que invadem áreas indígenas”, destacou Passarinho.

A fala do deputado foi reforçada pelo representante da Agência Nacional de Mineração (ANM), Glauber Cosenza, que também concordou que falta de recursos prejudica a fiscalização. “Atualmente em Belém, a ANM conta com apenas 10 fiscais para atender todo o estado do Pará e o Amapá. Só em Itaituba (PA), uma das maiores cidades às margens do rio Tapajós, mais de 18 mil pedidos de permissão de lavra garimpeira aguardam análise da agência”, pontuou.

Diane Lourenço

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *