Fábio Faria é contra proibição de lutas pela televisão

Da Redação

O deputado acredita ser um absurdo o projeto que busca impedir a transmissão de lutas marciais  pelas emissoras brasileiras de televisão

O deputado federal Fábio Faria (PSD-RN), mostrou-se novamente contrário ao Projeto de Lei 5534 de 2009, de autoria do deputado José Mentor (PT-SP) e que está em vias de entrar na pauta da Comissão de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática.

O parlamentar acredita que a proposta é um absurdo. “O deputado José mentor está querendo vedar a transmissão de lutas, como o MMA, que é um esporte que tem regras como o Karatê e o Box. Nos últimos 20 anos, depois que as regras formam estabelecidas, o MMA tem muito menos morte do que a Fórmula 1, o Futebol e o Box. Depois das regras atuais do UFC não vimos nenhuma morte no MMA, enquanto no Box, desde que foi regulamentado, já teve seis”.

“Precisamos tratar o esporte como ele merece ser tratado. São pessoas que têm disciplina, treinam desde pequeno, não bebem, não têm vícios e família para cuidar. Além disso, a maioria das lutas é transmitida em pay-per-view, que são canais pagos”, argumenta.

O deputado Fábio foi relator do projeto, quando este tramitava na Comissão de Turismo e Desporto, deu parecer contrário à proposta. Ao justificar o veto da matéria, o parlamentar potiguar afirmou: “No âmbito constitucional há elementos normativos abundantes. Esses elementos disciplinam a adequada exibição de conteúdo audiovisual, sem que haja a necessidade de enveredarmos pelo caminho draconiano, que excede, no seu conteúdo, no direito e esconde claros indícios de flagrante inconstitucionalidade”.

O projeto pretende impedir a transmissão de lutas marciais pelas emissoras de televisão, tanto aberta como por assinatura.

“Não vejo nenhum motivo para esse absurdo, a não ser o de aproveitar esse momento do MMA, que é um dos esportes que mais cresce no mundo, especialmente no Brasil, para levantar esse debate”, finalizou o deputado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *