Francisco Jr e secretário da Fazenda analisam ações econômicas na pandemia

A comissão mista que acompanha as medidas do governo no combate à Covid-19 realizou audiência pública virtual nesta segunda-feira (28). Na reunião bimensal de prestação de contas sobre as ações do Ministério da Economia, o deputado Francisco Jr (GO) ouviu o secretário especial da Fazenda, Waldery Rodrigues Júnior.

“Qual exatamente o plano do governo para o Brasil sair da crise? Porque, apesar de várias medidas serem anunciadas, não há clareza sobre o financiamento desses gastos. Também tem as reformas em discussão quais são as prioritárias?”, questionou Francisco Jr.

Waldery Rodrigues destacou que o auxílio emergencial é prioridade. “Um plano do governo para sair da crise está sendo detalhado e o ministro Paulo Guedes, que é o porta voz, fará o apontamento. Mas as reformas são importantes, como a tributária e administrativa, os programas de concessão e privatização”, disse.

Ainda de acordo com o secretário, alem dessas reformas o Congresso deverá colaborar com outras, como: a revisão do pacto federativo; liberalização comercial; redução de subsídios; novo marco legal do trabalho; marcos legais da cabotagem, do mercado de gás; e a Lei de Falências e Recuperação Judicial; e a autonomia do Banco Central.

Balanço

Ao longo da audiência pública, o secretário trouxe um balanço das contas públicas para o próximo ano. Segundo ele, o déficit brasileiro pode alcançar a cifra dos R$ 895,8 bilhões ainda em 2020. Ainda de acordo com Waldery, a dívida alcançará 12,5% do produto interno bruto (PIB), o que representa pior resultado dos últimos anos.

Até o momento, o auxílio emergencial, que custou R$ 321,8 bilhões ao governo. Mas se somado à outras medidas, como o Beneficio Emergencial de Manutenção do Emprego e da Renda (Bem) e o Programa Nacional de Apoio às Microempresas e Empresas de Pequeno Porte (Pronampe), os gastos extras brasileiros alcançam 8,4% do PIB.

Ao fazer uma comparação mundial, Waldery reforçou que, em média, o Brasil gastou mais do que países desenvolvidos, que tiveram 7,1% de gastos acima do PIB. Segundo ele, o patamar brasileiro ficou quase o dobro dos países em desenvolvimento, que teve média de gastos de 4,3% do PIB.”Trabalhamos e zelamos para que haja o menor endividamento possível, para que sobrecaia o menor ônus possível sobre as gerações futuras”, disse.

Os trabalhos da comissão mista estão previstos para encerrar em dezembro deste ano, quando acabar a vigência do decreto de calamidade pública no país. Toda semana o deputado Francisco Jr apresenta o relatório parcial dos trabalhos. Para acompanhar as reuniões e ter acesso aos registros do colegiado, clique aqui.

Diane Lourenço

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *