Danrlei cobra solução para sanar dívidas dos clubes de futebol

Deputado Danrlei de Deus (RS) - Foto: Cláudio Araújo

Deputado Danrlei de Deus (RS) – Foto: Cláudio Araújo

O refinanciamento das dívidas dos clubes de futebol foi defendido pelo deputado Danrlei de Deus (RS), vice-líder do PSD, durante audiência pública, nesta terça-feira (5), promovida pela comissão mista que analisa a Medida Provisória 671/15. A proposta institui o Programa de Modernização da Gestão e de Responsabilidade Fiscal do Futebol Brasileiro, chamado de Profut.

“O texto precisa encontrar, sobretudo, a solução para que os clubes sanem suas dívidas e voltem a crescer. Hoje, eles pagam 50% de sua dívida e logo depois já estão devendo novamente porque os juros as tornam impagáveis. A situação é séria e muitos clubes podem ser fechados. Aumentar o prazo para acertarem seus débitos e um novo modelo de gestão é o ponto de partida para ajudar o futebol nacional.”

Danrlei destacou que falta ao texto o aval dos clubes, já que na última vez em que aderiram a um refinanciamento proposto pelo governo federal, os resultados foram insatisfatórios. “Eles têm receio, pois com a Timemania [loteria criada para ajudar no pagamento das dívidas] a arrecadação foi insuficiente e as promessas não se concretizaram.”

Em relação às categorias de base e ao futebol feminino, temas também tratados na MP, Danrlei apresentou emenda que permite investimento mínimo em uma ou nas duas categorias. “Não seria benéfico obrigar um clube a criar um time feminino só para disputar campeonatos. Essa emenda permite que as agremiações possam se adaptar às especificidades da modalidade e também invistir nas categorias de base que é o início de tudo.”

O consultor de gestão esportiva, Amir Somoggi, apresentou planilhas sobre as dívidas. Segundo ele, o Corinthians, líder no ranking dos endividados, terminou o ano de 2014 com débito de R$ 238,5 milhões. Citou ainda pesquisas apontando que o principal motivo pelo qual os torcedores deixam de ir aos estádios é a violência. Para Danrlei, a questão da segurança deve ser estudada separadamente.

Carola Ribeiro

Assuntos:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *