Comissão de Agricultura discute impasse na produção de vinho artesanal em Irati (PR)

A Comissão de Agricultura, Pecuária, Abastecimento e Desenvolvimento Rural discutiu nesta quinta-feira (7), em Brasília, as dificuldades enfrentadas pelos produtores de vinho colonial de Irati (PR). O município é de colonização italiana e preserva a cultura da produção familiar. 

De acordo com o autor do requerimento da audiência, o Deputado Evandro Roman (PSD/PR), a discussão é necessária, diante das recentes ações de fiscalização na região, pois o produto não está dentro das normas exigidas pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa). Recentemente, as famílias que produzem a bebida foram obrigadas a descartar 15 mil litros, por não atenderem todas as exigências sanitárias. A venda era feita apenas no local da produção, com autorização da prefeitura.

“O produtor não sabe se colhe a uva ou se corre para eliminar as barreiras no Mapa. Acredito que seja importante fazermos um Termo de Ajuste de Conduta para que, junto com o sistema de fiscalização do Paraná, tenhamos o bom senso para resolver essa questão até fevereiro.  Não sei se é viável juridicamente, mas esse seria um bom caminho”, disse o parlamentar.

O produtor local, Luiz Alcione Cosmos, contou como tem sido ruim a quebra da tradição passada pelos antecessores. “Antes da fiscalização, uma comunidade tinha 50 produtores. Após as exigências do órgão, agora só são cinco, mas com produção industrial. Muitos tiveram que desistir por conta da falta de dinheiro para adquirir equipamentos. Isso é impossível, pois muitas famílias dependem exclusivamente do vinho”, lamentou.

De acordo com o prefeito de Irati, Jorge Derbli, a regularização da situação é importante para o turismo na região. “Não somos contra a Lei, mas não concordamos com o que aconteceu na fiscalização dos pequenos produtores. Fazemos um apelo ao Mapa uma condição diferenciada para essa produção em pequena escala”, ressaltou.

“Os senhores {produtores} estão no lugar correto. A Câmara é o órgão responsável por regular a agroindústria brasileira. A solução à curto prazo não existe. Mas, precisamos construir, juntos, as soluções à médio e à longo prazo, com articulação institucional. O mais difícil está sendo feito, que é a organização”, afirmou o coordenador do Departamento de Desenvolvimento das Cadeias Produtivas e da Produção Sustentável do MAPA, Helinton José Rocha.

Assuntos:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *